Follow me on Twitter RSS FEED

Uma história sem título é sempre a melhor...


Pessoal, desculpem que não postei ultimamente, é que eu tive muitas complicações essa semana, tipo o título de eleitor, alistamento, essas coisas.... Bom, como eu quase havia prometido eu vou colocar o primeiro capítulo da história que estou escrevendo com minha amiga Júlia (vide jvtgisler.blogspot.com). Fica ai com vocês, em fontes diferentes, o que cada um escreveu!
Eu, Júlia.
Capítulo I – Um história sem título é sempre a melhor –HAHA
                É incrível a poluição do ar de Hong Kong... Quando saímos daquele ar puríssimo de Brasília e vamos para um conglomerado de prédios gigantescos, em que as pessoas tem uma tava três vezes maior de incidência de câncer que o resto do mundo, reparamos na diferença, e temos dificuldade de nos ajustarmos, felizmente, eu já me acostumei...
                - Bom Dia! Ouvi uma voz feminina falar.
                - Bom Dia... Respondi com o sorriso habitual.
                - Tudo bem, Rodrigo? O sinal ficou verde para os pedestres, e atravessamos juntos a larga avenida do centro de Hong Kong.
                - Normal, tranqüilo, e você?
                - Tranqüilo? Tá solteiro, é? Ela perguntou com um tom de deboche. Era típico de Yoona fazer isso. Por isso, com uma risada, respondi no mesmo tom.
            - Sempre livre.
            - A história era diferente semana passada... – ela implicou – Você lembra? Preferi não responder para desencorajá-la.           
- Quando você estava com a sueca de pernas grandes falava até em aliança... Continuei em silêncio, sabia que a australiano Mary Ann tinha fama de fofoqueira.
- O que aconteceu, Rodrigo? Ela insistiu.
- Decidimos nos dedicar a carreira. Respondi prontamente, já havia ensaiado essa resposta antes.
- Mas...
De repente, sobre o som dos carros que passavam em alta velocidade ao nosso lado, ouviu-se um toque monofônico desagradável como uma sirene com intensidade estonteante.
“Salvo pelo gongo”, pensei ao vê-la abrir a bolsa e parar na calçada.
Ajeitei o colarinho da minha camisa e meu terno e apressei o passo ansioso para chegar a segurança de meu cubículo.
Quando vi a típica placa que indicava o complexo de prédios me senti aliviado, andei em direção a gigante construção espelhada de arquitetura moderna,  feita apenas para demonstrar o poder do oriente, pó que só começou a ter utilidade agora.
“Bank of China” eu li orgulhoso. Estava preso em pensamentos quando ouvi um barulho de batidas rítmicas no chão, com velocidade e destreza, sem sair do ritmo contínuo.
- Rodrigo, me espera!! Me virei com um sorriso falso muito bem disfarçado.
- Sim Yoona! “Mas que chinesa chata!” Pense sozinho.
- Me conta o que houve com a sueca!
- Nada de mais Yoona, só vamos andar, sim?
- Ah não! Meu gene chinês implica em curiosidade, e como eu sei que você me ama, vou ficar no sue pé o dia todo.
- Argh! Resmunguei, quando vi, por trás dela, Mary Ann correndo de salto. – A Mary ann queria te contar sobre o chinês que ela conheceu.
Yoona, como o esperado, girou como uma mola. Aproveitei para apressar meu passo, aproximei o bolso do meu casaco perto do visor da catraca eletrônica e a luz ficou verde.
Dei uma corrida elegante para alcançar o elevador que fechava as portas, coloquei a pasta entre a fenda e as portas se abriram. Me espremi pela abertura e soquei o botão para fechá-las de novo. As portas estavam quase fechando quando Yoona e Mary Ann apareceram ofegantes.
- Segura Rodrigo! – Berrou Mary Ann.
Acenei debochado e suspirei aliviado quando as portas finalmente fecharam.
Dei uma olhada para trás para ver se tinha algum conhecido no elevador, por sorte não habia ninguém, forcei meu cantonês (um dialeto local).
- Quem entende esses ocidentais?
Alguns presentes riram e outros concordaram em silêncio.
Amanhã tem mais galerë!! A partir daqui a história fica mais legal!

2 comentários:

JGisler disse...

AH!!
Primeiro comentário do primeiro capítulo!!!
O comentário maior está no segundo capítulo...
Já comecei a fazer nossa promoção pelo mundo virtual!

maria luiza disse...

duduuuuuuu, ta mtmt bom ;D acredite. principalmente os comentários que vc e a júlia fazem na bordinha das folhas, kkk. pelo o menos agora dá pra ler entendendo todas as palavras, porque os erros de ortografia...meu deus, vaio com y ? nossssa ! mas a história de vcs tá ótima, pelo menos o que eu li. parei na 29 :/ a tete paro na 110 eu acho... O.O bjss, lulu aqui :**

Postar um comentário